O PIOR POPULISMO

Folha de S.Paulo
7 de junho de 1988

A meu ver, a decisão relativa aos cinco anos de mandato para o atual presidente da República tem efeitos negativos sobre a economia, o processo democrático e a qualidade do novo texto constitucional.

Com efeito, ficou postergado o enfrentamento decidido da crise econômica, ao conferir-se mais 14,5 meses de mandato a um governo sem legitimidade, autoridade, eficácia e visão nacional para cumprir aquela tarefa. Prefiro estar enganado, pois não compartilho da teoria do “quanto pior melhor” mas acredito que, no caso, a probabilidade de erro é pequena.

Além disso, a forma como os cinco anos foram conquistados – em grande medida graças a barganhas com obras e favores governamentais – haverá de pesar durante muito tempo no prato da balança que conduz (e mantém) ao atraso, desmoraliza a vida política e obstrui a consolidação da democracia em nosso país.

Por último, o preço que a Constituinte paga pela obsessão sobre a duração do mandato é altíssimo. A coalizão dos cinco anos possui uma taxa de fisiologia, adesão a interesses corporativistas e descaso pelas finanças públicas, bem acima da média. Isto é irônico, pois alguns membros do Centrão são severos críticos de prodigalidade populista da Constituinte e o governo tem acusado a nova Constituição de ser economicamente irresponsável.

A respeito, é eloquente analisar o projeto do Centrão para as “Disposições Transitórias”. Não se corrigiu uma só deficiência do já sofrível texto da Sistematização e, o que é pior, foram acrescentadas outras. Exemplos? O texto do Centrão faz o seguinte:

1) Suprime o único artigo na nova constituição que disciplina a descentralização de funções e encargos da União para Estados e municípios e dos Estados para os municípios. E o governo reclama que a Constituinte está descentralizando receitas sem redistribuir responsabilidades.

2) Garante a possibilidade de acumulação de cargos para todos os atuais servidores públicos, permite que os chamados “marajás” invoquem direitos adquiridos se forem revisadas suas remunerações e elimina um dispositivo que ensejava o remanejamento (em 18 meses) de cargos e lotações dos servidores federais, estaduais e municipais.

3) Estabelece equiparações salariais (proibidíssimas no corpo permanente) entre defensores públicos, delegados de política e procuradores de justiça. Como estes perseguem a equiparação com os juízes, os policiais militares não aceitam remunerações abaixo da polícia civil, os procuradores do Estado almejam igualar-se aos da justiça, os professores universitários com a magistratura, e os engenheiros , médicos, arquitetos com os demais, e como nenhuma categoria gosta de ver outra a ela equiparar-se, abre-se o caminho para a loucura e a anarquia, constitucionalizados, nas já desorganizadas remunerações dos servidores públicos.

4) Suprime a proibição de que o governo federal assuma as dívidas e os inativos dos Estados que se dividem, transformando tal divisão no melhor negócio possível. Se São Paulo vier a dividir-se (por exemplo, criando o Estado do Vale do Ribeira) ver-se-á livre de uns US$ 16 bilhões de débitos e de 200 mil aposentados.

O denominador comum desses exemplos é o aumento do déficit público futuro, falta de austeridade nas finanças públicas, bloqueio ao seu saneamento e a crença irresponsável de que em economia, dois mais dois de despesas é igual a três de receita. Enfim, a irresponsabilidade populista, que não respeita a aritmética, as prioridades e o interesse público.

José Serra

Veja Também

Artigo: Espantoso, grandioso, bacana

O Estado de S. Paulo, 13 de junho de 2013 Há poucas semanas, foram concluídas as licitações para novas explorações de petróleo, paralisadas havia cinco anos. Eram licitações, digamos, à…

Preconceito linguístico

21/05/2011 Recebi  comentários muito bons, a favor e contra, sobre o  post anterior, em que trato do livro adotado pelo Ministério da Educação para o aprendizado dos jovens-adultos. Leiam um trecho do…

Descaminhos na saúde

Estadão, 12/04/2012. Os escândalos nos hospitais federais no Rio de Janeiro fazem parte da rotina entranhada na política brasileira de hoje. Paralelamente, ilustram a falta de rumo na saúde do…