Artigo na Folha: “A caveira de burro do Brasil novo”

A CAVEIRA DE BURRO DO BRASIL NOVO

Folha de S.Paulo
22 de maio de 1990

Falar mal ou insinuar coisas ruins a respeito do Congresso, dos deputados e senadores é hoje um lugar comum nas cartas que recebo e nos comentários e perguntar que ouço em todas as conferências ou debates a que compareço. Há uma verdadeira ira anti-parlamentar que se avoluma e alastra nas diferentes camadas de opinião pública, especialmente entre os setores mais carentes da população.

As críticas em geral invocam as mordomias (salários altos, aposentadorias prematuras) e o ausentismo. Mas há outros dois fatores por trás dessas acusações, talvez não percebidos conscientemente pela população, mas poderosos na explicação do desgaste.

De um lado, a relativa inoperância do Legislativo, que, na prática, aparece como autenticador das decisões do Poder Executivo e impotente diante dos graves problemas sociais e econômicos do país. Do outro, a ação de forças que, consideram uma instituição Legislativa forte e respeitada como antagônica democracia restrita que de fato desejam.

Nesse contexto, o comportamento do Congresso tem sido espantosamente equivocada, reforçando, mais do que enfraquecendo, o peso das críticas destrutivas. Prossegue a incapacidade do colégio de líderes dos partidos e da direção do Congresso na organização do processo legislativo e das sessões para votação, induzindo, assim, à lentidão e às faltas. Mantem-se um regimento interno (isto é regras de funcionamento) obsoleto. Reforce-se o corporativismo das Casas (Câmara e Senado), funcionários e parlamentares).

Não são tomadas providências para equipar tecnicamente a Câmara de Deputados a fim de que assuma suas grandes responsabilidades legislativas e fiscalizadoras, ao mesmo tempo em que, somando Câmara e Senado, sobram funcionários per capita de parlamentares. E, finalmente, tomam-se iniciativas a meu ver desastrosas, como a aprovação (por enquanto só na Câmara) de um programa especial de 19 minutos diários no horário nobre da TV para apresentar o trabalho do Legislativo. Um programa em cadeia que será necessariamente chato para o público que aguarda as novelas e assiste os noticiários agilíssimos, variados e competitivos das redes nacionais. Mais chato ainda pergunto, como é lógico e previsível, os quase 600 parlamentares da próxima legislatura ficarão disputando o espaço para aparecerem. Em suma, um verdadeiro bumerangue: um pau que se ativa para defesa própria e que volta, espancando a cabeça do Congresso.

O caminho de defesa do Legislativo que coincide com a defesa da democracia – é outro. Supõe, para começar, combater de fato os excessos corporativista, a começar pela questão das aposentadorias. É legítimo para qualquer agrupamento social criar sua previdência complementar – só é descabido, porém, que sejam destinados recursos públicos para pagá-las. Por que,, então, não reformar o Instituto de Previdência do Congresso de uma forma sensata?

A propósito de mordomias e inoperância, não está demais lembrar que são fruto principalmente do regime autoritário. Até 1964, o Congresso, não obstante (ou paralelamente) os desvios fisiológicos tinha também poder político, posteriormente esvaziado no bojo dos atos institucionais, das cassações e da Constituição de 1967-1969. Daí em diante, foram aprofundada a dependência do Legislativo em relação ao Executivo, tendo como contrapartida a transformação dos parlamentares (especialmente governistas) em uma sorte de vereadores federais, intermediários entre a clientela e a burocracia estatal. Foram sofisticadas, ao mesmo tempo, as condições aparentes de trabalho, com dotações orçamentárias expressivas.

Isto, agora, tem que ser corrigido, ao mesmo tempo em que o Legislativo assuma funções de poder efetivo, reformando seus regimentos paralizantes, proibindo definitivamente os votos (disfarçados nas reais) de liderança, equipando tecnicamente suas comissões.

O resto fica dependendo de qualidade do voto, da atenção que os eleitores e a sociedade dedicaram ao trabalho de cada parlamentar, além, a meu ver de duas condições fundamentais: a adoção do parlamentarismo e do voto distrital (ainda que sob forma mista). Só assim o Congresso poderá assumir responsabilidades efettivas pela política governamental e ser mais agilmente fiscalizado e renovado.

José Serra (Senador – PSDB-SP)

Veja Também

Entrevista ao Valor Econômico “Reforma não é tudo ou nada”

  Por Ribamar Oliveira e Vandson Lima | De Brasília O senador José Serra (PSDB-SP) considera que “apostar todas as fichas na reforma da Previdência para fomentar o crescimento econômico…

Artigo: Espantoso, grandioso, bacana

O Estado de S. Paulo, 13 de junho de 2013 Há poucas semanas, foram concluídas as licitações para novas explorações de petróleo, paralisadas havia cinco anos. Eram licitações, digamos, à…

Preconceito linguístico

21/05/2011 Recebi  comentários muito bons, a favor e contra, sobre o  post anterior, em que trato do livro adotado pelo Ministério da Educação para o aprendizado dos jovens-adultos. Leiam um trecho do…