Artigo na Folha: “Escolher é preciso”

Escolher é preciso

Folha de S. Paulo
14 de fevereiro de 1993

Há um formidável engano que vem atrapalhando e confundindo a campanha pelo parlamentarismo, pois os próprios parlamentaristas não têm conseguido esclarecê-lo adequadamente. Trata-se da idéia de que o próximo plebiscito poderá significar um “cheque em branco” para o Congresso, uma vez que a eventual escolha do parlamentarismo no dia 21 de abril não definirá a “forma” do novo sistema, que só será definida posteriormente pelos deputados e senadores.

Esta idéia tem sido utilizada espertamente pelos presidencialistas e acaba sendo aceita por muitas pessoas de boa fé, adeptos do parlamentarismo mas hesitantes em apoiá-lo precisamente por temer o cheque em branco.

Em branco? Para começar, uma obviedade que não pode ser esquecida: se fosse em branco mesmo, valeria para qualquer resultado. Caso vencesse o presidencialismo (que Deus nos proteja), o Congresso também poderia implementá-lo na forma que lhe aprouvesse – por exemplo, aumentando brutalmente seu próprio poder sem assumir nem um pingo a mais de responsabilidade pública. É isto que está implícito na proposta de Marco Maciel que impõe a aprovação dos ministros pelo Senado. Isto, no presidencialismo!

Assim, permito-me ponderar aos meus colegas parlamentaristas mais hesitantes: se temem o cheque em branco, isto não é razão para deixar de votar no sistema que é melhor.

Meu argumento principal, porém, é outro: O PLEBISCITO NÃO ESTARÁ ENTREGANDO NENHUM CHEQUE EM BRANCO, PELO SIMPLES FATO DE QUE ESSE CHEQUE JÁ EXISTE. Sabe o leitor por quê? Mesmo que não houvesse nenhum plebiscito, o Congresso poderia alterar o sistema de governo, através do processo normal de emendas constitucionais, SEM QUALQUER CONSULTA AO POVO. Mais ainda, o Congresso faria isso com certeza na próxima revisão constitucional, a partir de outubro deste ano, durante a qual a aprovação de emendas é mais fácil e mais rápida. Portanto, não é o plebiscito que está introduzindo a questão do sistema de governo. Sem ele, essa questão apareceria logo mais, dispensando qualquer espécie de consulta popular.

Pior ainda, sem o plebiscito, o Congresso caminharia para mudanças na direção de um sistema de governo híbrido, que lhe desse mais poder sem responsabilidade equivalente. Com o plebiscito, o resultado da escolha popular servirá ao menos como instrumento de pressão da opinião pública para que o sistema aprovado (o parlamentarismo, se Deus quiser) seja implementado PARA VALER, sem ambiguidades fatais. Essa pressão será poderosa. Quem viver e votar verá.

Por último, permito-me dizer que se tornaram enjoativas as reclamações de intelectuais e jornalistas amaldiçoando o plebiscito. Alguns realmente têm vergonha de defenderem o presidencialismo e as utilizam como subterfúgio. Mas outros são sinceros. E a eles cabe a pergunta: como o plebiscito será feito no dia 21 de abril (e seria a mesma coisa se fosse em 7 de setembro), qual a sua proposta? Seguir a Convergência Socialista do PT e votar em branco? Seguir o quercismo e votar no presidencialismo aventureiro? Ou correr o risco sadio do parlamentarismo, ajudando-o a vencer e ser implementado adequadamente? Só há três alternativas. Escolher é preciso.

José Serra

Veja Também

Estamos exportando o melhor de nossa economia: Empregos

02/06/2011 Hoje vou falar um pouco de economia e mercado de trabalho. Dêem uma olhada nas tabelas abaixo, extraídas das informações oficiais do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e…

Artigo na Folha: “Das vírgulas”

Das vírgulas Folha de S.Paulo 20 de setembro de 1988 Alguém já disse que se os teoremas da geometria contrariassem os interesses de algum setor da sociedade, logo surgiriam legiões…

50 anos e um falso dilema

Estadão, 25/08/2011 Faz hoje 50 anos que Jânio Quadros renunciou à Presidência, sete meses depois da posse. Fora eleito com mais de 48% dos votos e desfrutava de grande autoridade…