Artigo na Folha: “Multiplicação de Estados”

MULTIPLICAÇÃO DE ESTADOS

Folha de S.Paulo
26 de janeiro de 1988

O tema sobre a criação de Estados no Brasil dentro da nova Constituição não tem merecido atenção à altura de sua importância. Mais ainda, se prevalecerem as decisões da Comissão de Sistematização a esse respeito, acrescidas de uma emenda supressiva feita pelo Centrão (que explicarei em seguida), o país poderá enfrentar, no futuro, sérios problemas políticos e econômicos face às possibilidades que se abririam para multiplicar as unidades da Federação.

Convém esclarecer que não sou, a priori, contra a criação de Estados, mediante eventuais divisões ou fusões sempre que considerações de natureza econômico-administrativa o aconselharem ou, no caso de transformação de territórios em Estados, quando os primeiros já apresentem a densidade populacional e a maturidade econômica necessárias. O problema é outro: é preciso evitar que motivações estranhas aos interesses do desenvolvimento do país ou ao equilíbrio da Federação venham a prevalecer.

Um exemplo eloquente dessas motivações reside no aumento da representação parlamentar da região onde se situaria o Estado que viesse a se subdividir. Isto por que o novo texto constitucional tende a fixar tanto a irredutibilidade do número de parlamentares de um Estado determinado, como o mínimo de oito deputados para qualquer unidade federativa. Assim, por exemplo, se dividimos em dois um Estado com oito deputados e três senadores, os dois novos Estados passarão a ter, somados, 16 deputados e seis senadores, sem que sua população total tenha se alterado. No caso de transformação de territórios em Estados há um efeito parecido, pois dobra o número de deputados federais (os territórios hoje têm quatro parlamentares) e se acrescenta três senadores (os territórios não elegem senadores).

Outro exemplo de motivação estranha ao interesse público, e tão ou mais eloquente que o anterior, consiste nas vantagens econômicas localizadas (isto é, não do ponto de vista da coletividade) que a criação de Estados pode acarretar. Vantagens que, do ponto de vista nacional, representam aumento inconveniente do gasto (e do déficit) público. Pode-se mencionar a criação de Assembléias Legislativas, aumento de empregos públicos em áreas burocráticas (tudo por conta do governo federal que, apenas com Rondônia, e sem contar as despesas iniciais, tem dispendido algo em torno a 1% do seu orçamento), aumento dos Fundos de Participação (ou seja, o antigo Estado, agora subdividido, receberá mais do que antes, à custa, naturalmente, dos outros Estados, pois o total do Fundo não se altera) e, pasmem os leitores, a absorção pela União das dívidas e dos encargos de inativos (aposentados) do antigo Estado!

Aliás, foi pensando nisso que, na Sistematização, consegui aprovar uma emenda que proibe a União de assumir essas dívidas e encargos. Porém, o projeto do Centrão suprime esse dispositivo (revelando despreocupação com o gasto público). Ora, se tal supressão for acatada pelo plenário, poderíamos, por exemplo, criar o Estado do Vale do Ribeira, em São Paulo, transferindo com isso para a União 7,5 bilhões de dólares só de dívida externa, outros tantos bilhões de dívida interna e dezenas de milhares de inativos!

É preciso ter em conta que a criação de Estados no Texto da Sistematização está grandemente facilitada. Bastam três critérios: (1) Aprovação, em plebiscito, da população da região candidata a virar Estado. (2) Aprovação da Assembléia Legislativa. (3) Aprovação do Congresso.

Nesse esquema, o Executivo Federal nem seria chamado a opinar, eliminando-se a única parte que, por vocação, poderia preocupar-se com gastos. As vantagens políticas (aumento de parlamentares) e econômicas (inclusive para o “velho” Estado) são motivos poderosos para facilitar a transposição dos obstáculos (1) e (2). Por outro lado, sempre haverá a possibilidade de barganhas políticas no Congresso, que, cedo ou tarde, caso a caso, poderão permitir a superação da barreira(3).

Como se já não bastassem os critérios relativamente frouxos, a Sistematização, nas disposições permanentes e transitórias, já criou três Estados: transformação de dois territórios (Amapá e Roraima) e Tocantins (norte de Goiás). Além disso, Brasília (nas disposições permanentes) ganha autonomia e Assembléia Legislativa (a bancada federal permanece igual). Além das óbvias dificuldades políticas com a União, esta , obviamente “permomnia”, deverá manter a polícia, os bombeiros, o Ministério Público e o Judiciário dessa unidade federativa, apesar do forte aumento de receitas próprias que o novo Estado terá no contexto do novo sistema tributário.

José Serra

Veja Também

A educação e a droga

03/06/2011 Franca é uma cidade industrial do interior de São Paulo, relativamente próspera e bem administrada pela prefeitura, como pude comprovar ao longo dos últimos anos. Pois bem, um levantamento…

Artigo: As quatro leis da entropia petista

O Estado de S. Paulo, 24 de abril de 2014 Arrumando meus papéis, encontrei transcrições completas dos debates em rede nacional da campanha presidencial de 2010. De forma um tanto…

Vida longa à Nova República

Veja, em 20/02/2010 A Nova República completa 25 anos em março, mês em que Tancredo Neves deveria tomar posse na Presidência. Há razões para sustentar que se trata da fase…