Artigo na Folha: “O futuro é a vítima”

O FUTURO É A VÍTIMA

Folha de S.Paulo
19 de janeiro de 1988

Para os analistas políticos e econômicos a conjuntura brasileira apresenta-se tão enredada pelas incertezas sobre o que ocorrerá neste semestre, que a tentação maior, e evidentemente inútil, seria esquecê-la e só pensar a longo prazo. O longo prazo depende, porém, mais do que nunca, e de uma forma estreita e íntima, dos próximos eventos. Se estes forem adversos, o futuro da democracia e do desenvolvimento do país poderá ser a grande vítima.

A primeira incerteza refere-se,como é óbvio, à duração do mandato presidencial. A frase inicial do senador Mário Covas é hoje consensual: assinatura não significa necessariamente voto (nem mesmo presença) no plenário. Desse modo, os trezentos e tantos “apoiamentos” (termo que circula nos corredores do Congresso, mas não no Aurélio) aos cinco anos não significam certeza de aprovação.

Se der cinco, recrudescerá a oposição ao governo, ampliar-se-á a inquietação social e acentuar-se-á o processo de ruptura dos partidos sem que, ao mesmo tempo, melhorem as condições para o país enfrentar os problemas econômicos. Ao contrário, mais tempo para este governo implicará levar a crise mais longe e aprofundá-la.

Se der quatro anos, cria-se a esperança de que logo o país possa ter um governo legítimo, com autoridade para enfrentar a crise econômica, junto com a aceleração da corrida pela Presidência e a garantia das eleições municipais. Esperança mas não certeza. Quem será o candidato do PMDB? Quais as chances reais do Brizola? Ainda não dá para avaliar. No entanto, a resposta a ambas indagações é essencial para orientar a conduta de muitos atores decisivos do processo político e econômico. Ou seja, o problema não é somente data das eleições, mas quem pode levar.

Outra grande incerteza: qual o regime de governo que será aprovado? O fraco presidencialismo que resultou de uma fusão de propostas, ou o parlamentarismo “a la” França ou Portugal”? Esta última hipótese afasta, pelo desinteresse, possíveis candidatos (Quércia, por exemplo); fortalece outros (Montoro e Covas) e rebela terceiros (Brizola). Convém lembrar que a soma dos “apoiamentos” para as emendas parlamentaristas e presidencialistas ultrapassa em cerca de uma centena o número de constituintes.

Outra indagação: se for aprovado o parlamentarismo, a partir de quando? Imediatamente após a promulgação da nova Constituição ou no final do atual governo?

Será viável antecipar a votação do período de mandato e de forma de governo? Não se sabe. Será possível acelerar as votações de modo a apressar o término da Constituinte? Não se sabe e muitos temem que não, dado o interesse de alguns (poucos mas atuantes) em esticar ao máximo as coisas, a fim de desgastar (mais) a Constituinte ou tentar inviabilizar os quatro anos e, de outros, em dispor de mais tempo para “marcar posição” e tentar faturar popularidade em torno de teses irreais, mas generosas e agradáveis aos ouvidos de um povo que sofre as dores da desigualdade e da crise.

Como evoluirá a economia nas próximas semanas e meses? Ficará a inflação nos 15% ou já se avizinhará dos 20%? Quem vencerá o confronto: o galope inflacionário ou a voracidade fisiológica? Nunca a evolução dos preços num período tão curto pareceu exercer uma influência tão grande sobre os acontecimentos políticos.

A meu ver a melhor trajetória seria concluir a Constituição rapidamente, reestruturar e modernizar o PMDB, fazer eleições presidenciais em novembro e implantar o parlamentarismo. Nada disso representaria uma panacéia para resolver os problemas estruturais e conjunturais que acometem o país. Mas, pelo menos, poderia abrir chances para o futuro.

José Serra

Veja Também

Artigo no Estadão: “Bitcoin, uma tecnologia à procura de um produto”

Bitcoin, uma tecnologia à procura de um produto O ‘blockchain’ fará parte do futuro, embora ainda não saibamos exatamente como O Estado de S.Paulo 22 de fevereiro de 2018 A…

Artigo na Folha: “ZPE e teimosia”

ZPEs E TEIMOSIA Folha de S.Paulo 28 de junho de 1988 Com exceção de uma notícia publicada pela Folha, passou quase desapercebida uma decisão tomada na semana passada por ampla…

Artigo no Estadão: “Um jota a menos, um problema a mais”

A ‘terapia’ da TLP, no lugar da TJLP, é do tipo curar a doença matando o doente O Estado de S. Paulo 27 de julho de 2017 Durante a Assembleia Nacional…