Artigo na Folha: “Proporcional e distrital”

PROPORCIONAL E DISTRITAL

Folha de S.Paulo
23 de agosto de 1988

Um dos aspectos mais importantes, menos debatidos e mais vulneráveis da nova Carta Constitucional refere-se ao regime eleitoral, consagrado no artigo 46. A votação de primeiro turno fixou o sistema proporcional, onde os deputados (ou vereadores) disputam o voto entre os eleitores de todo o seu Estado (ou município).

Esse sistema se contrapõe a outro, chamado distrital, no qual o parlamentar é eleito por uma região dentro do Estado ou do município. Esta forma seria muito mais adequada para a representatividade do sistema democrático brasileiro. Creio, mesmo, que poderia ser combinada com a forma proporcional, num esquema misto, onde metade dos parlamentares seria eleita por toda a população do Estado (ou município) e metade nos distritos.

Argumenta-se, equivocadamente, que o voto distrital aumentaria a influência do poder econômico nas eleições e que destruiria os pequenos partidos. No primeiro caso, imagina-se que seria mais fácil a formação de “currais” eleitorais, onde um candidato com elevados recursos perpetuaria seu domínio fisiológico junto a um colégio mais limitado de eleitores. No segundo caso, acredita-se que os votos dos pequenos partidos, pulverizados nos distritos, não permitiriam, dentro do sistema distrital, eleger um só deputado ou vereador, fortalecendo assim, a bipartidarização do processo político.

Na verdade, o sistema misto resolveria a segunda dificuldade. E não seria demais limitar a multiplicação de minipartidos, que tendem a se transformar em legenda de aluguel; sobreviveriam apenas aqueles que expressem forças políticas reais. Além disso, a influência do poder econômico dificilmente seria menor no sistema distrital do que já é no proporcional. Avalie-se o esforço material necessário para disputar o voto em 570 municípios junto aos 15 milhões de eleitores de São Paulo…
Aqui encontramos uma das virtudes do voto distrital, pois mediante a disputa de votos dentro de um colégio, digamos, de 150 mil eleitores, os candidatos passariam a ter um acesso mais direto à população, o que facilitaria o trabalho eleitoral dos que dispõem de menores recursos.

Por outro lado, fatalmente aumentaria o controle da população sobre o parlamentar eleito. A cada eleição, sua atuação seria dissecada pelos seus adversários e julgada pela população. Hoje, numa cidade como São Paulo, o vereador praticamente não responde a nenhum grupo mais delimitado de eleitores. No Estado, parlamentares inoperantes podem se reeleger sucessivamente mudando a campanha de cidades, em cada eleição, estabelecendo uma espécie de rotatividade do cultivo eleitoral.

O sistema misto poderia também evitar o problema (supervalorizado) da “despolitização” que o voto distrital, em tese, acarretaria. E tornaria mais simples a realização de eleições, especialmente as que seriam suscetíveis de serem feitas num regime parlamentarista (que o país terá chance de escolher em 1993), dentro do qual se contempla a possibilidade de dissolução do Parlamento e convocação de novas eleições num prazo de algumas semanas.

Finalmente, o voto distrital seria imprescindível para combater o problema da sub-representação política das aglomerações urbanas maiores. Hoje, uma região como a da grande São Paulo, com mais da metade da população do Estado, tem menos de um quinto dos parlamentares estaduais e federais. Isto porque, sendo mais “aberta” cultural e geograficamente, seus votos são mais pulverizados, ou seja, dividem-se por um número maior de candidatos. Outros fatores, de natureza sociológica, atuam neste mesmo sentido, pois a tornam, na sua periferia, mais vulnerável à picaretagem eleitoral.

Seria pedir muito à Constituinte que fixasse o sistema distrital misto na Nova Carta. Há o peso contrário dos pequenos partidos e o interesse de muitos parlamentares, que, eleitos num sistema proporcional temem a mudança. Seria razoável, no entanto, que se deixasse a questão aberta para a futura lei eleitoral, não trancando a possibilidade de encontrarmos um sistema eleitoral melhor que o atual.

José Serra

Veja Também

Artigo na Folha: “ZPE e teimosia”

ZPEs E TEIMOSIA Folha de S.Paulo 28 de junho de 1988 Com exceção de uma notícia publicada pela Folha, passou quase desapercebida uma decisão tomada na semana passada por ampla…

IPI dos carros importados: O custo da herança maldita

19/09/2011 Há muito tempo parecia inevitável que o governo Dilma elevasse tributos sobre produtos industriais importados, como fez agora com o setor automobilístico, com a duração prevista até o final…

Artigo: Para romper a inércia do atraso

O Estado de S. Paulo, 10 de outubro de 2013 Na segunda-feira um homem falou comigo simpaticamente no elevador do prédio onde está meu escritório: “Olhe, desculpe-me a liberdade de…