Artigo no Estadão: “O bom exemplo alemão”

O Estado de São Paulo

23 março 2017

No formato atual das eleições para deputados, cada Estado brasileiro corresponde a um grande distrito com múltiplas vagas. O número de eleitos, por partido ou coligação, depende do número de votos obtidos pela agremiação em todo o Estado. Os mais votados até o limite das vagas obtidas pelo partido são eleitos.

Esse sistema enfraquece os partidos até porque, entre outras coisas, faz do correligionário o adversário a ser batido para se obter uma cadeira. A falta de cláusula de barreira nacional e a possibilidade de coligações fazem explodir o número de agremiações, que, em vez de organizarem as correntes de opinião, se transformam em trampolins para corporações e minorias organizadas.

Esse modelo é um dos responsáveis pela crise política: não só dificulta a formação de maiorias programáticas, como faz proliferar partidos de aluguel e coligações de conveniência. E eleva os custos de campanha a níveis alucinantes. Em São Paulo, cada candidato tem de disputar o voto entre 33 milhões de eleitores.

Se gastar um real para chegar a cada eleitor, um candidato paulista terá de gastar R$ 33 milhões. E são milhares de candidatos. Isso não faz sentido e tem de acabar logo. Já nos sistemas em que se elege um só representante por distrito – o modelo usual nas democracias avançadas – a área de disputa é limitada, o que favorece o contato com o eleitor e a vitória dos que representem maiorias. Também se reduz o número de partidos no Parlamento, garantindo maiorias estáveis e programáticas.

Os sistemas com distritos unipessoais – um eleito por distrito – podem ser de maioria simples (Reino Unido e Estados Unidos), maioria absoluta (França) ou mistos (Alemanha). A eleição por maioria simples leva ao bipartidarismo. Minorias importantes são subrepresentadas ou ficam fora do Parlamento. Na última eleição no Reino Unido, o Ukip teve 12% dos votos, mas só levou 0,2% das cadeiras. Nos EUA, nenhum independente foi eleito em 2016: bipartidarismo estrito.

No sistema de maioria absoluta, como na França, os dois primeiros colocados no distrito disputam segundo turno. O número de partidos capazes de governar vai para quatro ou cinco e as minorias conseguem representação. A maioria é regida pelo partido majoritário, com ou sem coalizão. Na França, os governos têm se baseado em coalizões de dois partidos, quando à direita, ou em mais partidos, quando à esquerda.

No engenhoso sistema alemão, distrital misto, o eleitor vota no candidato do distrito e também numa lista partidária. O voto na lista corrige a tendência do voto distrital a sub-representar minorias. A cada cadeira obtida nos distritos, o partido perde uma no critério de listas. O peso dos partidos no Parlamento tende assim à proporção de seus votos. É um sistema proporcional. O peso do poder econômico no Brasil, que contribui para desvirtuar o processo eleitoral, deriva principalmente de termos adotado o pior dos sistemas: distritos enormes em que se disputam várias cadeiras.

A sucessão de centenas de candidatos se acotovelando no horário gratuito beira o cômico. Isso enfraquece a ligação entre candidato e eleitor e amplia o poder de minorias. O sistema político transforma-se numa confederação de interesses particularistas. Esse sistema é caríssimo e dá protagonismo ao poder econômico – não somente o empresarial.

As agremiações de classe são ricas e eficientes máquinas eleitorais. E o crime organizado tem penetrado na política. Os candidatos têm de buscar votos em áreas extensas, exacerbando a demanda por financiamento. Aliás, isso permite compreender por que a proibição de doações por empresas tende a tornar inviáveis as campanhas: o atual sistema eleitoral brasileiro é corrosivo e só sobrevive se receber maciças transfusões de recursos.

Um dos poucos consensos, hoje, na sociedade brasileira é o de que tal sistema sofre de crescente perda de legitimidade, em todos os seus níveis. Mas ainda não é claro para todos que isso decorre do voto proporcional assentado em distritos gigantescos. Cerca de 80% dos eleitores conseguem eleger seu candidato. Como resultado, o eleitor não sabe quem seu voto elegeu e o eleito não tem por que atender a demandas de interesse geral.

Tende a atender mais a interesses concentrados de seus grandes eleitores – financiadores, corporações profissionais ou sindicais e grupos de interesse –, produzindo uma cacofonia de demandas localizadas e não suscetíveis à agregação em programas políticos de interesse geral. Demandas majoritárias como expandir a produtividade, reestruturar o gasto público ou racionalizar o sistema tributário não conseguem maioria.

A balbúrdia dos microinteresses domina a cena política e controla os escassos recursos públicos. A maioria dos eleitores não se identifica com as disputas políticas e desenvolveu repulsa pela representação partidária. A meu ver, a adoção do voto distrital misto nos moldes da Alemanha, em que se preserva a sistemática proporcional conforme determinado em nossa Constituição, ajudaria a eliminar esse descolamento.

As campanhas para o voto em lista e para o voto majoritário andariam juntas e se nutririam de um mesmo conteúdo programático. Com isso o eleitor saberia em quem votou e quem o representa em sua circunscrição – tenha ou não votado no candidato eleito. Conheceria também os compromissos assumidos pelo partido que escolheu. O risco de caciquismo pode ser eliminado por meio de listas partidárias que, a exemplo do que ocorre no sistema atual, reflitam as preferências dos eleitores – e não das direções.

Temos a opção entre manter com remendos o sistema disfuncional que nos trouxe até o abismo ou implantar o voto proporcional com distritos unipessoais, modelo que fortalece a governança, torna o eleito responsável diante do eleitor, democratiza os partidos e limita o peso do poder econômico, diminuindo as chances de corrupção.

José Serra, senador (PSDB-SP)

Veja Também

Artigo: Além da folia

Folha de S. Paulo, 23 de fevereiro de 2005 Muitas pessoas não gostam de Carnaval. Fogem do barulho, condenam os excessos, preferem aproveitar os dias de folga para repousar. Há…

Artigo: Cigarro: a propaganda que faz mal

O Globo, 02 de junho de 2000 Antes mesmo que o projeto de lei restringindo a propaganda de cigarro em televisão, revista, jornal e outros meios de comunicação de massa…

Artigo: Um projeto a favor do Brasil

Folha de S. Paulo, 12 de março de 2016. Projeto de lei de minha autoria aprovado no Senado desobriga a Petrobras de ser operadora de todos os campos do pré-sal…