As fronteiras abertas da América Latina

“Nos 1.644 quilômetros que separam o Brasil da Colômbia (…) há apenas uma delegacia da Polícia Federal e um posto do Fisco. Ambos ficam em Tabatinga. São 33 agentes da PF, um para cada 49 quilômetros de fronteira. O efetivo da Receita Federal é ainda menor. Apenas uma inspetora está incumbida de fiscalizar toda a divisa com a Colômbia. Nos 2.995 quilômetros que marcam a linha entre o Brasil e o Peru, há três postos da Polícia Federal ? cada um com dois agentes ? em Santa Rosa do Purús, Marechal Thaumaturgo e Assis Brasil, três municípios do Acre. Para controlar o contrabando, um deles teria de patrulhar 499 quilômetros de fronteira todos os dias. Nem sequer um metro é fiscalizado”.

Esse é um trecho do relato de um repórter da Veja, Bruno Abbud, que percorreu 17 municípios do Amazonas e do Acre, nas fronteiras com a Colômbia e o Peru. Além das mercadorias e da madeira extraída ilegalmente no Brasil, por essas fronteiras passa livremente o contrabando de drogas e armas, base do crime organizado em nosso país.

Vale a pena ler.

Veja Também

Minha primeira vez

09/05/2011 Paul Valéry dizia que os deuses sopram ao poeta o primeiro verso; o resto, depois, é com ele, fruto do seu esforço. Na poesia, na vida pública, em tudo…

O sofá e a sala

Estadão, 13/10/2011 Hoje em dia, quase ninguém contesta a importância da concessão de serviços públicos em áreas de infraestrutura e energia, como forma de aumentar os investimentos e melhorar a…

Artigo na Folha: “O modelo que inexiste”

O modelo que inexiste Folha de S.Paulo 13 de dezembro de 1988 Causou alvoroço, embora tardio, o anúncio de que o Confaz – organismo que reúne os secretários da Fazenda…