As fronteiras abertas da América Latina

“Nos 1.644 quilômetros que separam o Brasil da Colômbia (…) há apenas uma delegacia da Polícia Federal e um posto do Fisco. Ambos ficam em Tabatinga. São 33 agentes da PF, um para cada 49 quilômetros de fronteira. O efetivo da Receita Federal é ainda menor. Apenas uma inspetora está incumbida de fiscalizar toda a divisa com a Colômbia. Nos 2.995 quilômetros que marcam a linha entre o Brasil e o Peru, há três postos da Polícia Federal ? cada um com dois agentes ? em Santa Rosa do Purús, Marechal Thaumaturgo e Assis Brasil, três municípios do Acre. Para controlar o contrabando, um deles teria de patrulhar 499 quilômetros de fronteira todos os dias. Nem sequer um metro é fiscalizado”.

Esse é um trecho do relato de um repórter da Veja, Bruno Abbud, que percorreu 17 municípios do Amazonas e do Acre, nas fronteiras com a Colômbia e o Peru. Além das mercadorias e da madeira extraída ilegalmente no Brasil, por essas fronteiras passa livremente o contrabando de drogas e armas, base do crime organizado em nosso país.

Vale a pena ler.

Veja Também

Artigo: Um projeto a favor do Brasil

Folha de S. Paulo, 12 de março de 2016. Projeto de lei de minha autoria aprovado no Senado desobriga a Petrobras de ser operadora de todos os campos do pré-sal…

Fernando Henrique, 80 anos. Mais de 50 dedicados ao Brasil

Fernando Henrique faz 80 anos hoje. Abaixo, segue uma pequena entrevista que concedi ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná, em que sintetizo a sua importância como pensador e como…

Artigo: Três vezes no ‘Guinness’

O Estado de S. Paulo, 09 de maio de 2013 Em palestra recente afirmei que o ex-presidente Lula mereceria pelo menos três verbetes no Guinness World Records. O primeiro por…