Brasil, líder da rigidez orçamentária (por Cláudia Safatle)

Brasil, líder da rigidez orçamentária

Valor Econômico
03 de novembro de 2017

Por Claudia Safatle*

Da despesa total da União, 81,7% são gastos constitucionais e 9,6% constam de leis ordinárias. Ou seja, 91,3% da despesa orçamentária é obrigatória, o que torna o Brasil o campeão da rigidez orçamentária se comparado aos demais países do continente.

Subtraindo as transferências constitucionais a Estados e municípios, os demais gastos consagrados pela Carta de 1988 consomem 66,1% do orçamento. Os principais são a Previdência Social e a folha de salários do funcionalismo público, que respondem por 52%, equivalentes a R$ 792 bilhões segundo a execução orçamentária do ano passado.

Os 48% (R$ 221 bilhões) restantes estão distribuídos principalmente em saúde e educação, abono salarial e seguro desemprego, complementação ao Fundeb (educação básica), precatórios e custeio e investimentos do Legislativo, Judiciário e Ministério Público. Esses dados constam de um trabalho feito por Leonardo Ribeiro, analista do Senado e especialista em contas públicas.

Folha de salários é o gasto do orçamento que mais cresce

A reforma da Previdência, como já se sabe, é necessária mas insuficiente para resolver a grave crise fiscal do país. Há uma outra reforma imperativa ainda não tratada pelo governo. Ela se refere à folha de salários do funcionalismo, que cresceu 10,7% em valores reais no primeiro semestre deste ano sobre igual período do ano passado.

O governo começou a ensaiar ações nessa área ao editar medida provisória, nesta semana, adiando para 2019 os reajustes salariais previstos para 2018 e aumentando de 11% para 14% a contribuição previdenciária dos servidores.

Há, porém, uma infinidade de possibilidades a serem atacadas, a começar do respeito ao teto de remuneração do setor público. Se há uma lei que define como teto o salário do ministro do Supremo Tribunal Federal (cerca de R$ 33 mil), não faz o menor sentido um juiz receber remuneração de até R$ 200 mil por mês entre salários e vantagens, como há casos em alguns Estados da Federação.

No orçamento executado do ano passado, os números são eloquentes. Para uma receita total de R$ 1,36 trilhão, a despesa foi de R$ 1,53 trilhão, resultando em um déficit de 165,28 bilhões. Os gastos obrigatórios somaram R$ 1,39 trilhão, sendo, portanto, maiores do que a receita. Excluídos R$ 238 bilhões de transferências a Estados e municípios (fundos de participação, fundos constitucionais, contribuição do salário educação, dentre outros), os gastos determinados pela Constituição totalizaram R$ 1,013 trilhão.

As despesas obrigatórias patrocinadas por lei ordinária somaram R$ 146,64 bilhões (Bolsa Família, benefícios de prestação continuada, subsídios).

Os gastos de livre alocação representaram apenas 8,7% do total (R$ 134 bilhões em 2016). Em tese, esse foi o universo onde o governo pode encontrar recursos para destinar ao atendimento das prioridades do país. Mas mesmo nesse quinhão há pagamentos obrigatórios.

Outro levantamento feito por Leonardo Ribeiro mostra que o Brasil é líder em rigidez orçamentária se comparado aos seus pares na América do Sul. A título de exemplo, as despesas obrigatórias no Chile e no Uruguai estão no intervalo de zero a 20% do orçamento. Na Colômbia, esse intervalo é de 60% a 80%. Ele estendeu o mesmo exercício ao México e aos Estados Unidos – 40% a 60% e 60% a 70%, respectivamente. No Brasil o gasto mandatório se situa no intervalo superior, de 80% a 100% do orçamento.

Há um outro ítem que não consta das despesas públicas mas que merece uma reavaliação acurada. É o “gasto tributário”, uma renúncia de receitas por concessão de incentivos e benefícios fiscais. Essa é uma conta de R$ 283,4 bilhões, segundo os anexos do orçamento para 2018, cifra que supera o déficit primário de R$ 159 bilhões fixado para o próximo ano. Aí estão os benefícios concedidos à Zona Franca de Manaus, ao Simples e a entidades sem fins lucrativos, dentre vários outros.

Para conter a folha de salários há muito a fazer além do respeito ao teto. Algumas sugestão são elencadas em um texto dos economistas José Roberto Afonso e Leonardo Ribeiro, tais como: restabelecer a possibilidade de contratação de celetistas e de redução temporária da jornada de trabalho com correspondente redução de salários. Em ambos, há decisão contrária do Supremo Tribunal Federal (STF) que teria que ser revista. Sugerem, ainda, a extinção das vinculações remuneratórias do setor público. Por tais paridades, o reajuste do salário de um ministro do STF implica na correção imediata dos salários de juízes e desembargadores estaduais.

Tramita no Senado, onde foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, projeto de lei que permite a demissão de servidores por “insuficiência de desempenho”.

Outro projeto de lei complementar, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), propõe o plano de revisão periódica de gastos, para que os governos possam redefinir prioridades e perseguir ganhos de eficiência. Uma despesa não deve constar do orçamento deste ano apenas pelo fato de estar no do ano passado.
Serra argumenta que essa prática (“spending reviews”) disseminou-se por países da OCDE após a crise global de 2008/2009. No Reino Unido, o plano durou de 2010 a 2014 e gerou uma economia de 81 bilhões de libras, cita o senador na justificação do projeto. Os gastos tributários são candidatos a passar por essa revisão.

Curioso notar que essas são boas iniciativas do mesmo Congresso que concluiu, após a realização de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que não existe déficit na Previdência Social.

O Brasil ainda está distante de uma situação fiscal responsável e sustentável. A dívida bruta de 74% do PIB é das mais altas do mundo, a maior entre os emergentes e sua trajetória é crescente. O déficit primário não pode ser uma prática duradoura. O engessamento do orçamento só dificulta colocar as contas públicas nos trilhos e abrir espaços para novos investimentos. A aprovação do teto para o gasto foi apenas um balizador para a extensa tarefa que há pela frente, que começa mas não termina com a reforma da Previdência.

*Claudia Safatle é diretora adjunta de Redação e escreve às sextas-feiras

Veja Também

Fernando Henrique, 80 anos. Mais de 50 dedicados ao Brasil

Fernando Henrique faz 80 anos hoje. Abaixo, segue uma pequena entrevista que concedi ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná, em que sintetizo a sua importância como pensador e como…

Artigo no Estadão: “O bom exemplo alemão”

O Estado de São Paulo 23 março 2017 No formato atual das eleições para deputados, cada Estado brasileiro corresponde a um grande distrito com múltiplas vagas. O número de eleitos,…

Artigo no Estadão: “O saneamento e o futuro”

O saneamento e o futuro Ficar contra o Reisb é como ser contra a luz elétrica e, literalmente, contra a água encanada O Estado de S.Paulo 24 de agosto de…