Artigo: Cigarro: a propaganda que faz mal

O Globo, 02 de junho de 2000

Antes mesmo que o projeto de lei restringindo a propaganda de cigarro em televisão, revista, jornal e outros meios de comunicação de massa chegasse ao Congresso Nacional, algumas bandeiras foram levantadas acusando o governo federal de estar, a um só tempo, censurando a liberdade de expressão comercial e desrespeitando a Constituição. Segundo os argumentos de quem é contra esse projeto de lei, a Constituição Federal não admite o banimento total da propaganda de serviços lícitos, e esse é o caso dos cigarros.

A acusação é grave e merece uma resposta. Em primeiro lugar, o projeto de lei do governo federal não prevê a proibição total da propaganda de cigarros e sim uma restrição dos meios em que pode ser veiculada. Portanto, não agride à Constituição que, em seu artigo 220, parágrafo 40, autoriza tal restrição.

Em segundo lugar, se a ação do governo nessa área merece críticas, é por não ter ocorrido antes.

A restrição à publicidade de cigarros já é realidade em países como Estados Unidos, Canadá, França, Itália, Austrália, Bélgica, Noruega, Suécia, Portugal, Finlândia, Tailândia e Turquia. A liberdade com que os fabricantes de tabaco atuam nos países do Hemisfério Norte tem os dias contados. E é justamente por essa razão que, cada vez mais, o mercado para reposição de consumidores mais promissores para companhias de tabaco está nos países em desenvolvimento. É onde essas companhias sempre atuaram mais livremente.

O governo federal está propondo a restrição à publicidade de cigarros por entender que trata de um assunto de saúde pública. E esse argumento é incontestável – mesmo por aqueles que levantam as bandeiras contra a suposta censura à liberdade de expressão comercial.

O cigarro é o maior inimigo individual da saúde pública. É o responsável pela morte de 100 mil brasileiros anualmente, o equivalente a um estádio do Maracanã lotado em dia de clássico. São vítimas de enfisema, cânceres de pulmão, esôfago, laringe, boca, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero, ou de ataques cardíacos, derrames cerebrais e úlceras estomacais. São informações amplamente conhecidas, especialmente pelos fumantes. Ainda assim, eles fumam.

Entre os cerca de 30 milhões de fumantes em todo o Brasil, 90% começaram a fumar entre os 5 e 19 anos de idade. As companhias de tabaco sabem disso e, por essa razão, visam a atingir em especial o jovem em suas estratégias de comunicação. Gastam, apenas no Brasil, dezenas de milhões de dólares em publicidade e promoção de associam suas marcas à saúde, ao esporte, à emoção, à liberdade, à sensualidade. São associações falsas, cínicas e desprovidas de ética que induzem o adolescente a experimentar o cigarro. Mediante sua publicidade, elas fazem o jovem crer que o cigarro é o passaporte ideal para ele ser aceito como adulto.

Esse processo de autoafirmação induzido pela indústria do tabaco não dura para sempre, evidentemente. Estudos do Instituto Nacional do Câncer (INCA), braço o Ministério da Saúde no estudo e na prevenção do câncer, indicam que 70% dos fumantes adultos desejam parar de fumar. Mas a grande maioria não consegue. A nicotina é uma espécie de droga, que provoca dependência química. Ao chegarem à idade adulta, os fumantes conscientes dos prejuízos que o fumo provoca, têm que enfrentar as crises de abstinência decorrentes da falta de nicotina. O sofrimento e a dificuldade são enormes. A grande maioria fica presa ao vício e às doenças que irão, de uma forma ou de outra, encurtar suas vidas ou causar enormes sofrimentos. Ao contrário do que diz a propaganda de cigarros, não há liberdade de escolha.

A comunicação publicitária encomendada pelas indústrias de cigarro não vende o seu produto; vende ilusões. Ela não revela a quantidade de substâncias tóxicas e cancerígenas que cada cigarro contém, omite que o fumo provoca dependência química e sequer relaciona a quantidade de doenças fatais associadas ao tabagismo. Seus propósitos não são dignos de crédito e sua comunicação apenas reflete dissimulação.

Antes de ter elaborado o projeto de lei, o Ministério da Saúde realizou uma pesquisa junto a jovens fumantes e não fumantes em seis cidades brasileiras com o objetivo de verificar até que ponto o tabagismo é induzido pela propaganda. O resultado impressiona: os adolescentes são capazes de reproduzir conceitos de comunicação de diferentes marcas e reconhecem, em sua publicidade, a venda não de tabaco, mas de sedução, liberdade e prazer. A propaganda é o que os encoraja a experimentar.

O presidente do Conar alega, contra o projeto de lei que ora propomos, que o país não precisa de novas leis de publicidade. Respeitamos a atividade publicitária, o Conar e os serviços que presta ao consumidor brasileiro, quando decide defende-lo de alguma propaganda enganosa. Porém, no caso da propaganda das companhias de cigarro, não concordamos que o Código Brasileiro de Auto Regulamentação Publicitária seja suficiente para controlar a exposição dos jovens à mensagem das companhias de cigarro.

Alguém acredita que crianças e adolescentes deixem de assistir à televisão depois das 21h30, horário a partir do qual é permitida a veiculação dos comerciais milionários e maravilhosos de cigarro? Em caso de resposta positiva, uma informação: amostra realizada pelo Ibope na cidade de São Paulo mostra que no mês de abril, no horário entre 22 e 24h00, crianças entre 2 e 9 anos eram 11% da audiência. Já os adolescentes com idades variando entre 10 e 14 anos somaram 10% da audiência. Finalmente, jovens entre 15 e 24 anos eram 17% da audiência total.

Assim como assistem livremente à programação televisiva, esses jovens folheiam revistas e são impactados à vontade por outdoors espalhados pelas cidades brasileiras. Se restasse alguma dúvida sobre o real alvo das campanhas de cigarros, bastaria perguntar: a quem essas companhias querem atingir quando promovem megaeventos de rock, jazz, ou de esportes de aventura?

Se esse projeto de lei atinge algo, certamente não é a liberdade de expressão ou a informação comercial. Tenho a convicção de que ele atinge o coração da estratégia de aliciamento de novos fumantes e, a julgar pela polêmica instalada, os interesses de quem lucra com a doença alheia.

Veja Também

Artigo: A competência faz, sim, a diferença

O Estado de S. Paulo, 14 de novembro de 2013 Outro dia, numa palestra para jovens, surpreendi-me com os números do banco de dados que mantenho no computador. O produto…

Artigo na Folha: “Emenda errada”

EMENDA ERRADA Folha de S.Paulo 21 de junho de 1988 Passou desapercebido pelos observadores da Constituinte um conflito que paralisou a sessão de quinta-feira última e que, se não for…

Artigo: Além da folia

Folha de S. Paulo, 23 de fevereiro de 2005 Muitas pessoas não gostam de Carnaval. Fogem do barulho, condenam os excessos, preferem aproveitar os dias de folga para repousar. Há…