Crise vai, crise vem

A saída do ministro Antonio Palocci resolveu, sem dúvida, um problema político imediato para a presidente Dilma Roussef, que será sucedido por outro de bom tamanho. Vai-se uma crise, chega outra.

 

Palocci era, sem dúvida, o personagem forte de um governo hesitante e fraco do ponto de vista político e administrativo. Até a convulsão que envolveu a si próprio, exercia o papel de primeiro-ministro. Versado nas questões da administração federal e hábil nas negociações políticas, tinha  liderança dentro do PT e desfrutava de relações próximas com Lula — virtual tutor da presidente e, ao mesmo tempo, seu potencial causador de enxaqueca política  até 2014.  Lula sempre o levou muito em conta nos assuntos de governo.

 

O PT não dispõe de ninguém para substituir Palocci nas funções que exercia. A senadora Gleisi  Hoffmann (PT-PR), certamente, não terá essa pretensão. Fernando Henrique e Lula (principalmente depois do mensalão) não precisavam de um primeiro-ministro. Dilma, sim. E agora?

Veja Também

Artigo: Vamos nos ocupar da crise, não a crise de nós

O Estado de São Paulo, 26/03/2015 Nas próximas semanas, o Congresso Nacional se pronunciará sobre um projeto de lei que, se for aprovado, dará inicio a mudanças profundas na política…

Artigo: Zona do euro, hora da inteligência

O Estado de S. Paulo, 10 de maio de 2012 A eleição de François Hollande, na França, trouxe à luz a fragilidade da chamada Zona do Euro e, em larga…

Governo põe em risco o Auxílio Brasil

Deve-se evitar a todo custo o desvio do espaço fiscal aberto com a PEC 23 para despesas sem relação direta com a seguridade social. José Serra, O Estado de S.Paulo…