Crise vai, crise vem

A saída do ministro Antonio Palocci resolveu, sem dúvida, um problema político imediato para a presidente Dilma Roussef, que será sucedido por outro de bom tamanho. Vai-se uma crise, chega outra.

 

Palocci era, sem dúvida, o personagem forte de um governo hesitante e fraco do ponto de vista político e administrativo. Até a convulsão que envolveu a si próprio, exercia o papel de primeiro-ministro. Versado nas questões da administração federal e hábil nas negociações políticas, tinha  liderança dentro do PT e desfrutava de relações próximas com Lula — virtual tutor da presidente e, ao mesmo tempo, seu potencial causador de enxaqueca política  até 2014.  Lula sempre o levou muito em conta nos assuntos de governo.

 

O PT não dispõe de ninguém para substituir Palocci nas funções que exercia. A senadora Gleisi  Hoffmann (PT-PR), certamente, não terá essa pretensão. Fernando Henrique e Lula (principalmente depois do mensalão) não precisavam de um primeiro-ministro. Dilma, sim. E agora?

Veja Também

Artigo na Folha: “22 de março e a crise”

22 DE MARÇO E A CRISE José Serra Folha de S. Paulo 05 abril 1988 A fim de derrotar o parlamentarismo e fixar cinco anos de mandato presidencial nas disposições…

Cuidado com a contrarreforma

O Globo, 15/03/2011 Pouco tempo depois de promulgada a Constituição de 1988, que se desenhou num ambiente francamente favorável ao parlamentarismo e acabou, por vicissitudes várias, presidencialista, teve início o debate…

Mudança ministerial: O arranjo é fraco mas isso não é o pior

13/06/2011 Qual o ponto fraco do governo Dilma? Quem acompanha as vicissitudes das mudanças em três ministérios, com pouco mais de cinco meses de governo (uns 10% do mandato), provavelmente…