Mudança de biografia, não da história

Ainda bem que a correção foi feita: o impeachment do presidente Fernando Collor foi, sim, um dos momentos mais significativos da vida do Senado e deve estar presente da exposição sobre a história da Casa.  É verdade que, anos depois, o então presidente Lula fez autocrítica do episódio e anistiou politicamente o ex-presidente cassado, hoje aliado do PT. Mas esse gesto mudou a biografia do PT, não a história do país.

 

Além disso, a posse do vice-presidente Itamar Franco, que decorreu da cassação, definiu uma nova etapa na história do Brasil no final do século passado, ao abrir caminho para o Plano Real, que estabilizou a economia brasileira depois de 15 anos de superinflação. Lembre-se, também, que Itamar tinha sido senador, e voltou a sê-lo na atual legislatura. E que Fernando Henrique Cardoso era senador (licenciado), quando chefiava o ministério da Fazenda de Itamar e coordenou a batalha da estabilidade.

Veja Também

Artigo: Nenhum genocídio deve ser esquecido

Folha de São Paulo, – 24 de abril de 2009 O DIA de hoje, 24 de abril, lembra a campanha de extermínio movida pelo governo turco contra a população armênia…

A nova vanguarda do atraso

Estadão, 12 de janeiro de 2012. O desempenho da economia brasileira em 2011 foi modesto: o PIB cresceu menos de 3%, a segunda pior performance desde 2004. O freio da…

Artigo: Cadáver adiado que procria

O Estado de S. Paulo, 22 de janeiro de 2015 Este ano de 2015 não está trazendo surpresas na economia. Para começar, era óbvio que o governo da presidente Dilma…