Mudança de biografia, não da história

Ainda bem que a correção foi feita: o impeachment do presidente Fernando Collor foi, sim, um dos momentos mais significativos da vida do Senado e deve estar presente da exposição sobre a história da Casa.  É verdade que, anos depois, o então presidente Lula fez autocrítica do episódio e anistiou politicamente o ex-presidente cassado, hoje aliado do PT. Mas esse gesto mudou a biografia do PT, não a história do país.

 

Além disso, a posse do vice-presidente Itamar Franco, que decorreu da cassação, definiu uma nova etapa na história do Brasil no final do século passado, ao abrir caminho para o Plano Real, que estabilizou a economia brasileira depois de 15 anos de superinflação. Lembre-se, também, que Itamar tinha sido senador, e voltou a sê-lo na atual legislatura. E que Fernando Henrique Cardoso era senador (licenciado), quando chefiava o ministério da Fazenda de Itamar e coordenou a batalha da estabilidade.

Veja Também

Artigo no Estadão: “Transparência nos subsídios creditícios”

Transparência nos subsídios creditícios Eis uma boa agenda para o Congresso Nacional, em prol da estabilidade fiscal O Estado de S.Paulo 10 de maio de 2018 No início da atual…

Vida longa à Nova República

Veja, em 20/02/2010 A Nova República completa 25 anos em março, mês em que Tancredo Neves deveria tomar posse na Presidência. Há razões para sustentar que se trata da fase…

Com uma das mãos, combate a corrupção; Com a outra, incentiva

07/07/2011 Os escândalos no Ministério dos Transportes, que vêm dos oito anos do governo Lula, foram revelados por reportagem da revista Veja. Diga-se que a Controladoria Geral da União, órgão…