Mudança de biografia, não da história

Ainda bem que a correção foi feita: o impeachment do presidente Fernando Collor foi, sim, um dos momentos mais significativos da vida do Senado e deve estar presente da exposição sobre a história da Casa.  É verdade que, anos depois, o então presidente Lula fez autocrítica do episódio e anistiou politicamente o ex-presidente cassado, hoje aliado do PT. Mas esse gesto mudou a biografia do PT, não a história do país.

 

Além disso, a posse do vice-presidente Itamar Franco, que decorreu da cassação, definiu uma nova etapa na história do Brasil no final do século passado, ao abrir caminho para o Plano Real, que estabilizou a economia brasileira depois de 15 anos de superinflação. Lembre-se, também, que Itamar tinha sido senador, e voltou a sê-lo na atual legislatura. E que Fernando Henrique Cardoso era senador (licenciado), quando chefiava o ministério da Fazenda de Itamar e coordenou a batalha da estabilidade.

Veja Também

A indústria faz a diferença

Estadão, 26/5/2011 Vira e mexe, defrontamo-nos com a tese de que “o Brasil está se desindustrializando” ou corre grandes riscos nesse sentido. É bom esclarecer que o termo “desindustrialização” não significa…

Cuidado com a contrarreforma

O Globo, 15/03/2011 Pouco tempo depois de promulgada a Constituição de 1988, que se desenhou num ambiente francamente favorável ao parlamentarismo e acabou, por vicissitudes várias, presidencialista, teve início o debate…

Com uma das mãos, combate a corrupção; Com a outra, incentiva

07/07/2011 Os escândalos no Ministério dos Transportes, que vêm dos oito anos do governo Lula, foram revelados por reportagem da revista Veja. Diga-se que a Controladoria Geral da União, órgão…