Preconceito linguístico

21/05/2011

Recebi  comentários muito bons, a favor e contra, sobre o  post anterior, em que trato do livro adotado pelo Ministério da Educação para o aprendizado dos jovens-adultos. Leiam um trecho do livro, primeiro capítulo, página 15:

 

“Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar ‘os livro’?”

 

“Claro que pode. Mas fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima do preconceito linguístico. Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever, tomando as regras estabelecidas para a norma culta como padrão de correção de todas as normas linguísticas. O falante, portanto, tem de ser capaz de usar a variante adequada da língua para cada ocasião.”

 

Ou seja, segundo o livro, tudo bem falar errado, mas a pessoa poderá ser vítima de preconceito linguístico. Preconceito envolve discriminação – por exemplo, preconceito racial, sexual, religioso, social. Agora temos também o preconceito linguístico, instrumento de dominação de classe, das classes mais ricas sobre as mais pobres. Você deve falar corretamente apenas para não sofrê-lo. Falar corretamente ou erradamente só depende da ocasião, sustenta a obra.

 

Esse tipo de abordagem está no livro adotado pelo MEC, e vários autores a endossam.  Sem preconceito, não concordo com ela. E me parece errado que o Ministério da Educação a transforme em doutrina oficial, comprando e distribuindo às escolas públicas esse tipo de orientação pedagógica. Os quase 500 mil exemplares custaram R$ 5 milhões aos cofres públicos.

Veja Também

Artigo: A constituinte de 1988: Entre as liberdades e a frente única

*Versão revisada e ampliada de artigo publicado na Folha de São Paulo, 5 de outubro de 2013 Nos 25 anos da Constituição que Ulysses Guimarães classificou de “cidadã”, alinho-me com…

Artigo no Estadão: “Um jota a menos, um problema a mais”

A ‘terapia’ da TLP, no lugar da TJLP, é do tipo curar a doença matando o doente O Estado de S. Paulo 27 de julho de 2017 Durante a Assembleia Nacional…

Fernando Henrique, 80 anos. Mais de 50 dedicados ao Brasil

Fernando Henrique faz 80 anos hoje. Abaixo, segue uma pequena entrevista que concedi ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná, em que sintetizo a sua importância como pensador e como…