Saneamento no Brasil: Tristes números

23/05/2011

Pobreza não se combate só com transferência de renda monetária. Saneamento, Saúde e Educação, novos empregos, são essenciais. O governo, em seu nono ano, gaba-se de ter feito mais do que os outros em tudo, especialmente nas políticas de inclusão social. Será?

No saneamento,  o próprio Censo recém-concluído mostra que não é bem assim . Pouco mais da metade dos quase 60 milhões de domicílios brasileiros (55,5%) tem esgoto. No Nordeste, são apenas 34%. No Norte, 14% – é isso mesmo, somente um em cada sete domicílios é ligado à rede de esgotos!

 

Meio século mais

 

O mais impressionante é que a velocidade do acesso das pessoas a saneamento diminuiu. Isso mesmo, em vez de acelerar as soluções, os últimos anos assistiram ao contrário: o acesso aumentou 7 pontos percentuais nos últimos dez anos (2001-2010), contra 14 pontos percentuais na década anterior (1991-2000). No ritmo em que vamos, só dentro de 50 anos serão universalizados os serviços de saneamento no Brasil! Nunca antes neste país um objetivo tão nobre ficou tão distante do alcance das pessoas mais carentes.

 

Como é sabido, o déficit nessa área tem consequências diretas sobre o meio ambiente e a saúde das pessoas,  e em especial sobre os  índices de mortalidade infantil  entre os mais pobres. Como é menos sabido, mas tão verdadeiro como, os maus números trazidos pelo Censo resultam não apenas de recursos insuficientes, mas também da falta de planejamento, coordenação e prioridades.

 

Em 2007, foi aprovada lei que instituía o  Marco Legal do Saneamento e previa a elaboração de um Plano Nacional do Saneamento Básico,  mas esse dever  de casa não foi cumprido pelo governo Lula. O setor segue sem diretrizes claras e com muita burocracia: alguns projetos submetidos pelo governo de São Paulo, por exemplo, levaram quase dois anos para receber aprovação de Brasília.

 

Nada é feito na esfera federal para melhorar e  modernizar a gestão das empresas estaduais e municipais de saneamento – hoje, apenas 7 das 26 companhias estaduais têm condições de acessar recursos financiados.

 

Tributos cruéis

 

 

 

Em vez de criatividade e iniciativa, o Planalto optou-se pela irracionalidade, leia-se o aumento de tributos sobre as atividades do saneamento. A alíquota da COFINS foi aumentada, em 2004, de 3% para 7,6%; o PIS-PASEP, de 0,65% para 1,65%. Apesar de o regime desses tributos ter passado a ser não-cumulativo, as empresas de saneamento não conseguem  creditar-se de todos os tributos pagos na compra de insumos e outros custos integrantes da cadeia produtiva. O resultado foi um aumento pesado da carga tributária sobre elas.

 

Na discussão que antecedeu a aprovação da lei de 2007, tentou-se corrigir essa distorção. Mas o governo Lula reincidiu no erro e vetou a iniciativa, cravando a retirada de cerca de R$ 2 bilhões por ano do setor. Recursos na veia, que elevariam em um terço a capacidade de investimentos das empresas estaduais e municipais – da ordem de 6 para 8 bilhões de reais  anuais.  A cada triênio, investir-se-ia um ano a mais. No entanto, em sete anos, deixamos de investir um total de 14 bilhões de reais. Sabem lá o que é isso?

 

Com ousadia, planejamento e prioridades, além da coordenação de todas as partes envolvidas, seria possível, sim, chegar-se à universalização em 15 anos, dobrando os recursos investidos no setor e aumentando em 30% a produtividade das suas técnicas e processos. Daríamos um passo fundamental para a garantia de um direito tão essencial, mas ainda tão negligenciado no nosso país. Passo, infelizmente, utópico, diante da centralização e do loteamento político do setor, do planejamento mal feito e da incapacidade de Brasília para fazer acontecer.

 

PS: Este post já estava escrito quando li a excelente matéria de Marcelo Sperandio na Veja (25/5/2011, p. 76) sobre o mesmo tema: O Brasil Na Fossa. Pena que não há link disponível.

Veja Também

Artigo na Folha: “Um grande equívoco”

UM GRANDE EQUÍVOCO Folha de S.Paulo 15 de março de 1988 A proposta de combinar a aprovação na Constituinte de um regime parlamentarista com um mandato de cinco anos para…

Mudança ministerial: O arranjo é fraco mas isso não é o pior

13/06/2011 Qual o ponto fraco do governo Dilma? Quem acompanha as vicissitudes das mudanças em três ministérios, com pouco mais de cinco meses de governo (uns 10% do mandato), provavelmente…

Constituição na crise dos 30

Precisamos reagir contra as sinalizações de mudanças constitucionais radicais O Estado de S.Paulo 11 Outubro 2018 Há 30 anos, completados semana passada, foi promulgada a atual Constituição, que Ulysses Guimarães…