Artigo na Folha: “Economistas ou médicos”

ECONOMISTAS OU MÉDICOS

Folha de S.Paulo
9 de agosto de 1988

É natural que face à inflação de um ponto percentual por dia útil, multipliquem-se as inquietações e angústias, seja dos que sofrem os efeitos dos aumentos de preços sobre sua capacidade de consumo, seja dos que estão à frente de empresas que devem decidir sobre produção, investimentos e empréstimos.

A intranquilidade também se estende para todos os que se preocupam com a estabilidade política e o fortalecimento do regime democrático. Há o temor, como disse premonitoriamente Keynes, pensando na Europa Central do início dos anos 20, que a doença do corpo (hiperinflação e desorganização econômica) chegue à mente (convivência social e política) da sociedade.
Nesse contexto, como é rotineiro, eleva-se rapidamente a demanda efetiva para que os economistas prescrevam receitas eficazes para combater e dobrar a doença. Paralelamente, a imprensa especula sobre a permanência do ministro da Fazenda e as entidades empresariais, justamente aflitas, tomam a iniciativa de propor medidas e acordos destinados a conter o furo inflacionário.

Na verdade, sem menosprezar o papel de seu erros e acertos, é inquestionável que os economistas têm sido, no Brasil pós-1964, supervalorizados na sua capacidade para provocar crises ou milagres econômicos. Simplificando e forçando a comparação, há pelo menos três diferenças importantes entre uma doença do organismo humano e outra do organismo econômico.

No primeiro caso, há as enfermidades curáveis e as incuráveis; e quando a moléstia é curável, uma receita adequada e um bom comportamento do doente – que é mais interessado – costumam resolver. No segundo caso, os problemas são diferentes: a probabilidade de doenças incuráveis, pelo menos no organismo econômico brasileiro, são bem menores. Mas é provável existir mais de uma receita adequada por certo com efeitos secundários diferentes e o organismo econômico sempre apresenta fortes reações à terapia, mesmo que ela seja correta, não raramente levando tudo a perder. Por que? Porque toda aplicação de terapias anticrise gera reações e expectativas contrárias, fundadas ou infundadas, de partes do organismo. Reações difíceis de contrabalançar, especialmente quando o comando médico, por uma ou outra razão, hesita, face ao vigor das oposições existentes.

Desse modo, podemos enforcar de modo heterodoxo o papel dos economistas face a uma crise: menos do que receitas acabadas, o melhor e mais eficiente que têm a fazer é alimentar o debate, levantar idéias, revisar experiências, sublinhar condições e limites das soluções discutidas. Em suma, contribuir para o amadurecimento e a maior racionalidade de visão da sociedade a respeito das questões econômicas.

Quanto à outra parte da rotina – sacrificar o ministro da Fazenda (ou do Planejamento, ou ambos) – é rigorosamente inútil, se não contraproducente, sobretudo quando o doente é tão rebelde a qualquer tratamento razoável e o governo não tem forças para bancar a terapia. A menos que tivesse essas forças e fossem disponíveis outras receitas adequadas e prontas, o que não acontece.

Por último, a formulação de propostas e a intensificação de propostas e a intensificação do debate no meio empresarial devem ser encaradas positivamente, e tomara se firmem com rotina. Não porque sejam necessariamente corretas, a cada instante, ou sejam absolutamente imparciais, mas porque refletem empenho na solução da crise e uma tentativa de engajamento na visão da sociedade com um todo, fugindo aos marcos estreitos do corporativismo. É um bom avanço, que deve ser encarado de forma construtiva.

José Serra

Veja Também

Artigo no Estadão: “Transparência nos subsídios creditícios”

Transparência nos subsídios creditícios Eis uma boa agenda para o Congresso Nacional, em prol da estabilidade fiscal O Estado de S.Paulo 10 de maio de 2018 No início da atual…

Artigo na Folha: “Das vírgulas”

Das vírgulas Folha de S.Paulo 20 de setembro de 1988 Alguém já disse que se os teoremas da geometria contrariassem os interesses de algum setor da sociedade, logo surgiriam legiões…

Artigo no Estadão: “O bom exemplo alemão”

O Estado de São Paulo 23 março 2017 No formato atual das eleições para deputados, cada Estado brasileiro corresponde a um grande distrito com múltiplas vagas. O número de eleitos,…