Aventureirismo político pode ser evitado

Somada à percepção do caráter deliberado da polarização, a proativa busca de convergência é mais um passo para superar 2018

José Serra, O Estado de S.Paulo
25 de novembro de 2021 | 03h00

A eleição de Fernando Collor, em 1989, parece ter aberto uma sequência de sucessões presidenciais em que era inevitável escolher por rejeição. Collor, que obtivera, no primeiro turno, pouco menos de 30% dos votos, derrotou Lula, que recebeu pouco mais de 15%, também no primeiro turno.

Mais de metade dos cidadãos deixou de expressar seus verdadeiros interesses e ideais, forçados a optar, no segundo turno, entre candidatos que não representavam sequer metade dos votos. Foi eleito um candidato sem partido, sem equipe de governo com experiência de gestão pública, sem carreira política que evidenciasse convergência entre suas promessas de mudanças radicais e sua habilidade para realizá-las.

Lula, sem nenhuma experiência executiva, escapou dessa sina porque liderava um partido com eleitorado relevante, conseguiu cercar-se de quadros competentes, de fora e de dentro de seu partido. Empenhou-se em conciliar as bandeiras esquerdistas do PT com interesses conservadores e orientações liberais. A despeito de suas reconhecidas habilidades, não conseguiu integrar as expectativas radicais de seu partido à gestão eficaz da política econômica e, na contramão do crescimento da economia mundial, entregou à sua sucessora uma economia em perigosa retração.

Dilma não teve a mesma ventura que seu tutor, que lhe deu um partido, mas não a licença para liderá-lo, nem a habilidade para conciliar as pretensões extremistas de facções do PT com os interesses conservadores e as preferências liberais dos quadros que haviam dado, inicialmente, equilíbrio fiscal ao mandato de Lula. Faltou-lhe, também, uma experiência executiva relevante, que lhe granjeasse credibilidade. Com isso, entregou ao seu sucessor um país gravemente dividido e profundamente insatisfeito com partidos e governos e, desta vez, com a economia em recessão.

Michel Temer, em que pesem as importantes reformas que marcaram seu curto mandato, e a retomada da estabilidade e do crescimento econômico que proporcionou, repetiu o cenário político polarizado e extremista da sucessão de Sarney e do ocaso do lulismo. Este cenário reúne o ambiente eleitoral ideal para candidaturas aventureiras e o pano de fundo para a fragmentação partidária que propiciaram a eleição do atual governo.

Parte não desprezível da opinião pública, das lideranças políticas, das redações, dos institutos de pesquisa de opinião e da academia parece encarar como fatalidade a repetição da disputa entre Bolsonaro e o lulismo, atribuindo-lhe a inevitabilidade de uma escolha por rejeição. As aparências de repetição refletem a estratégia deliberadamente adotada pelos que se beneficiam desta crença sem fundamento em nossa história política.

Vejamos em que diferem o atual processo sucessório e a campanha de 2018. Em primeiro lugar, já se tornou patente que Lula e Bolsonaro se escolheram como parceiros ideais de uma polarização, e se empenham em torná-la inevitável. Contudo, se deu certo em 2018, por que não daria em 2022?

Segundo, porque as lideranças partidárias e seus candidatos já perceberam que a fragmentação partidária não era um efeito da polarização, mas sim de decisões equivocadas das lideranças políticas. Isso levou um número relevante de partidos a reunir-se para discutir a sucessão, embora sem buscar alguma convergência programática e sem avançar para uma coalizão. Somada à percepção do caráter deliberado da polarização, essa busca proativa de convergência é mais um passo para superar 2018.

Nenhuma das condições já mencionadas seria decisiva se não se refletisse nas atitudes das candidaturas que são, afinal, quem disputa o voto do eleitor. Ambas, no entanto, contribuem para duas diferenças com relação ao ambiente eleitoral de três anos atrás.

A primeira é o surgimento do que se tem chamado de “novos políticos”, por oposição à suposta “nova política” – praticada pelas mesmas velhas raposas. São candidatos mais próximos dos eleitores jovens, mais receptíveis às novas pautas sociais, ambientais e identitárias, entre outras, o que lhes permite atrair o voto de um eleitorado que tende a repudiar a representação política em geral e, com isso, competir contra os que se valem da insatisfação popular para se dizerem contra tudo e contra todos.

A outra é o que alguns chamam de “despolarização”, isto é, em vez de competir por oposição a um dos protagonistas, o candidato o desafia em seu próprio campo. Isso poderia se aplicar a Ciro Gomes, competindo com Lula para melhor atrair os moderados contra Bolsonaro, ou a Sergio Moro, competindo com Bolsonaro para atrair o centro contra o lulismo.

O risco que correm é o de dividir, de tal modo, o eleitorado mais à esquerda ou mais à direita, levando ambos a se inviabilizarem para o segundo turno. Parece razoável pensar que alianças partidárias formais entre legendas de centro-esquerda ou de centro-direita cumpririam esse papel melhor do que candidaturas solo.

A campanha sucessória não pode ser decidida antes de começar. A derrota do aventureirismo político está ao alcance das mãos.

*SENADOR (PSDB-SP)

Veja Também

Artigo no Estadão: “Aquecimento global, ebulição local”

Urge enfrentar o desequilíbrio fiscal, a criminalidade e o desemprego estrutural O Estado de S.Paulo 12 de Julho de 2018 Em 1989, com o artigo O fim da História, Francis Fukuyama…

Artigo: Hora de mudar o ECA

O Estado de S. Paulo, 25 de abril de 2013 Em novembro de 2003 um casal de namorados foi sequestrado por um bando quando acampava num sítio na Grande São…

Artigo na Folha: “A semana do imposto e do gasto”

A semana do imposto e do gasto Folha de S.Paulo 12 de abril de 1988 Provavelmente amanhã a Constituinte deve começar a votar os capítulos tributário, orçamentário e financeiro, de…