Hora de dar um gás no Brasil

Substituição do regime de concessão pelo de autorização vai atrair investimentos privados

José Serra, O Estado de S.Paulo 24 de setembro de 2020 | 03h00
A Câmara dos Deputados despachou projeto de lei que pretende fomentar a indústria do gás natural (GN) no Brasil. Aprovado, após tramitar durante mais de cinco anos, por uma larga maioria de 351 deputados, com apenas 101 votos contrários, o projeto de lei recebeu o apoio do governo federal e das empresas do setor, numa grande convergência.

O projeto quebra o monopólio que foi sendo criado ao longo do tempo pela Petrobrás no Brasil. Abre o mercado para outras empresas, mediante a substituição do regime de concessão – instituído pela Lei n.º 9.478/97, que não teve o sucesso esperado – pelo regime de autorização.

O resultado dessa política foi uma rede de gasodutos insuficiente tanto para atender à demanda potencial do País quanto para propiciar ganhos com o aumento da oferta do GN, que é o mais limpo dos combustíveis fósseis e um energético abundante e barato, de larga utilidade. Seu consumo abarca desde o uso na cozinha dos lares brasileiros, passando pela indústria e chegando à geração de energia elétrica.

Hoje a rede nacional de gasodutos de transporte tem somente cerca de 9,5 mil quilômetros de extensão, ante os 16 mil quilômetros existentes na Argentina, para dar um exemplo próximo. Aqui o gás natural responde por 13% da matriz energética, ante 22% da matriz mundial, segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

A substituição do regime de concessão pelo de autorização dará mais velocidade aos investimentos, por ser um processo menos burocrático e mais favorável à atração dos investimentos privados. A liberdade de acesso à rede de gasodutos, bem como outros mecanismos incluídos no projeto, dará aos investidores a segurança necessária para empreender. E esta é a ideia central do texto: atrair os investimentos privados para o setor e deixar que o mercado de gás natural cresça organicamente, sem depender de investimentos públicos, hoje insuficientes.

As empresas com interesse no setor começam a se movimentar na expectativa da nova lei. A imprensa especializada noticiou que a Spic Brasil, subsidiária da State Power Investment Corporation, da China, assinou recentemente contrato para adquirir 33% dos projetos termoelétricos GNA I e GNA II, ambos em construção no Porto do Açu, em São João da Barra (RJ).

A Spic também firmou contrato para participar dos futuros projetos de expansão que preveem a utilização combinada do gás natural liquefeito (GNL) importado, e de gás do pré-sal, hoje as fontes mais viáveis e baratas do energético. O complexo inclui um terminal de GNL com capacidade total de 21 milhões de metros cúbicos diários. A primeira usina, a GNA I (1.300 MW), deve começar a operar na primeira metade de 2021.

A Transportadora Associada de Gás (TAG), a Nova Transportadora do Sudeste (NTS) e a Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG) mapeiam rotas e pretendem construir pequenos ramais estratégicos, estimados em R$ 630 milhões pela EPE, que, por sua vez, já mapeou potencial de investimentos de R$ 17 bilhões em 11 novos projetos. / Encontrou algum erro? Entre em contato A estimativa é de que a nova lei proporcione investimentos entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões e 4 milhões de empregos em cinco anos, além de reduzir o preço do combustível à metade, o que permite um aumento de 0,5 ponto porcentual de crescimento do produto interno bruto (PIB) por ano na próxima década.

A produção de gás do Brasil deverá triplicar até 2030, passando dos atuais 50 milhões de para quase 150 milhões de metros cúbicos/dia. Ela vai crescer muito com a exploração do pré-sal e de gás barato disponível no mundo, vindo do exterior por tubos ou por navios, em forma liquefeita.

Tudo isso deve baratear o gás natural no Brasil, onde os preços são atualmente mais altos que no exterior. Segundo a estimativa do Ministério da Economia, o preço do gás pode cair à metade, para uma faixa entre US$ 4 e US$ 8 por milhão de BTUs, ante o valor atual que varia de US$ 12 a US$ 14.

A nova Lei do Gás terá, para o País, importância semelhante à do recém-aprovado marco legal do saneamento e a das mudanças no setor elétrico, de ferrovias e petróleo, também em andamento no Congresso Nacional. Trará benefícios incontáveis à sociedade brasileira. Além dos investimentos privados e da criação dos empregos mencionados, reduzirá consideravelmente o preço do gás natural, do botijão de uso doméstico à indústria de produtos siderúrgicos, cerâmicos, químicos, de cimento e de vidro, tornando-os mais baratos e competitivos.

Teremos também redução do preço da energia elétrica: 23% da sua geração utiliza atualmente GN como combustível, segundo a EPE. No bojo dos novos investimentos haverá ganhos de arrecadação e melhoria ambiental: o gás natural é o menos poluente dos combustíveis fósseis. A própria Petrobrás será beneficiada pela competição, pois terá de se tornar mais eficiente para enfrentá-la. É urgente que o Senado vote o projeto, cujos benefícios, reitero, serão incomensuráveis para o País, ajudando-nos a sair do difícil momento que atravessamos.

Está na hora de dar um gás no Brasil.

SENADOR (PSDB-SP)

Veja Também

Resultados são a melhor recompensa

Discurso na homenagem da Organização Mundial da Família, em Genebra, 08/07/2009 Este prêmio da Organização Mundial da Família (OMF) representa uma das maiores satisfações que já obtive ao longo de…

Artigo: Uma crise em busca de um governo

O Estado de S. Paulo, 11 de julho de 2013 “Estou convencido de que nada é mais necessário para os homens que vivem em comunidade do que ser governados: autogovernados…

Artigo: Além da folia

Folha de S. Paulo, 23 de fevereiro de 2005 Muitas pessoas não gostam de Carnaval. Fogem do barulho, condenam os excessos, preferem aproveitar os dias de folga para repousar. Há…