Mudanças cosméticas

O governo federal procura transformar o limão em limonada. Colocado diante da evidência de irregularidades amplamente disseminadas pela administração, trata de inverter o jogo.

 

O mesmo grupo político que loteou o governo, que transformou a máquina estatal numa federação de feudos, diz agora que vai corrigir o que fez, como se não tivesse nada a ver com o que foi feito. Será?

 

Mudanças para melhor são sempre positivas, mas é o caso de observar como vai ser extirpado um problema que até ontem o próprio governo e o PT tratavam como solução: o aviltamento de alianças. Afinal, esse foi um conceito político que produziu a candidatura vitoriosa na última eleição presidencial e que foi mantido no atual governo. O aparelhamento da máquina estatal continuou, aliás, exatamente como era antes.

 

Seria positivo que a tal faxina fosse além da retórica e da remoção pontual de gente politicamente menos musculosa, instalada em pontos estratégicos que o núcleo governamental deseja controlar melhor. Mas, em face da fórmula que deu certo, é perfeitamente legítimo o ceticismo de boa parte das pessoas a esse respeito.

 

Além disso, o mesmo poder que promete a faxina completa exibe diuturnamente a indecisão como método. A ponto de a tal faxina parecer mais um ajuste de contas interno e menos a verdadeira limpeza que o país espera.

Veja Também

Artigo: Depois da Nova República

O Estado de S. Paulo, 14 de abril de 2016 Brasileiros, começamos hoje a viver a Nova República. Deixemos para trás tudo o que nos separa e trabalhemos sem descanso…

Um país ensanduichado

O Globo, 03/08/2011 O Big Mac é o sanduíche mais popular do mundo. Há um quarto de século, ano após ano, a revista “The Economist” faz comparações de preços entre diferentes…

Revolução a passo de tartaruga

25/05/2011 A Amazon já está vendendo mais livros eletrônicos do que em papel nos Estados Unidos. A oferta de e-livros (é assim que se traduz e-book?) em português ainda é…