Artigo: Tabagismo: confissão mórbida

Folha de S.Paulo, 22 de julho de 2001

É difícil acreditar, mas é verdade: a empresa norte-americana Philip Morris, uma das gigantes da indústria mundial do tabaco, divulgou o relatório de uma pesquisa que pretende demonstrar os benefícios do consumo de cigarros para as finanças públicas da República Tcheca. A sinistra conclusão da pesquisa, encomendada pela companhia à empresa de consultoria Arthur Little International, é: os fumantes morrem mais cedo; logo, ajudam a reduzir os gastos públicos na área de saúde e no sistema previdenciário.

Além da conclusão absurda, a pesquisa tem sido contestada pelas inconsistências metodológicas. Ela subestimou os recursos despendidos no tratamento dos fumantes e não considerou os impactos econômicos que ocorreriam se o dinheiro gasto na compra de cigarros fosse usado para o consumo de outros bens.

É difícil captar os objetivos dessa pesquisa estarrecedora. Ela busca, aparentemente, responder à acusação do governo tcheco de que a indústria do tabaco estaria aumentando os gastos públicos com o tratamento de doenças relacionadas ao hábito de fumar. A Philip Morris – é conveniente registrar – produz cerca de 80% dos cigarros consumidos na República Tcheca.

A companhia pode estar querendo, ao rebater o governo tcheco, defender-se das críticas e dos processos que têm sido lançados contra a indústria do tabaco em outros países por motivos semelhantes. Na hipótese mais macabra, a companhia estaria tentando convencer os governos a serem tolerantes com o consumo e a propaganda de cigarros, porque a morte precoce dos fumantes poderia ajudar a conseguir o tão desejado equilíbrio das finanças públicas.

A iniciativa de financiar e divulgar tal pesquisa é ainda mais chocante porque a Philip Morris tem se declarado disposta a colaborar com a elaboração da Convenção para o Controle do Tabaco, um tratado internacional proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o intuito de reduzir o número de enfermidades e de mortes provocadas pelo hábito de fumar.

Cabe ressaltar que aproximadamente 1,1 bilhão de pessoas, em todo o mundo, consome produtos derivados do tabaco – prevê-se que o número de usuários alcançará a casa de 1,6 bilhão em 2025. As estatísticas apontam ainda que as enfermidades decorrentes do consumo de derivados do tabaco são responsáveis, anualmente, por 1 em cada 10 mortes. A projeção é de que esse número aumentará para 6 em cada 10 óbitos anuais em 2030.

Os dados indicam também que a incidência das doenças relacionadas ao uso do tabaco, tanto das crônicas, quanto das agudas, estava concentrada nos países ricos, mas, com a expansão do mercado de tabaco nos países em desenvolvimento, essa tendência se inverteu com extrema rapidez nos últimos anos. De acordo com estimativas da OMS, em 2020, 7 de cada 10 mortes relacionadas ao tabaco ocorrerão em países de baixa e média rendas, aí incluídos o Brasil e a República Tcheca, objeto da condenável pesquisa financiada pela Philip Morris.

Da iniciativa desastrada da companhia americana resultou, no entanto, um bem imprevisto: ao sugerir que os governos podem economizar recursos com a morte precoce dos fumantes, a pesquisa da Philip Morris confirmou publicamente que o uso de produtos derivados do tabaco abala a saúde e encurta a vida dos consumidores.

Essa confissão, involuntária e mórbida, deve servir para reforçar nos governos responsáveis a decisão de conter a propaganda e a difusão desse hábito destrutivo. É o que o governo brasileiro continuará fazendo, por diferentes meios, apesar das fortes pressões em contrário.

Veja Também

O sofá e a sala

Estadão, 13/10/2011 Hoje em dia, quase ninguém contesta a importância da concessão de serviços públicos em áreas de infraestrutura e energia, como forma de aumentar os investimentos e melhorar a…

Artigo: O futuro não será mais como era

O Estado de S. Paulo, 14 de janeiro de 2016. O presidencialismo é o regime da irresponsabilidade a prazo fixo. O parlamentarismo é o regime da responsabilidade com prazo indeterminado.  (Ulysses…

Fernando Henrique, 80 anos. Mais de 50 dedicados ao Brasil

Fernando Henrique faz 80 anos hoje. Abaixo, segue uma pequena entrevista que concedi ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná, em que sintetizo a sua importância como pensador e como…