Folha: PSDB deve indicar nomes para o governo de Temer, diz FHC

Da Folha de S. Paulo

FÁBIO ZANINI
EDITOR DE “PODER”
NATUZA NERY
EDITORA DO PAINEL

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defende a entrada do PSDB num eventual governo Michel Temer, com indicação de cargos. Segundo ele, o partido tem “responsabilidade política” e não pode se recusar a participar.
O partido está rachado: FHC coloca-se ao lado do senador José Serra, cotado para o governo, na defesa de indicação de ministros. Do outro lado está o governador Geraldo Alckmin, que advoga apenas apoio congressual. O partido tomará uma decisão no próximo dia 3.

Apesar de defender o impeachment, FHC diz que a presidente Dilma não é “criminosa” e afirma que “é bom” que o PT se mantenha como força política. Otimista, diz que sua confiança de que Temer fará uma boa gestão atinge 7, numa escala de 0 a 10. “Mas sou realista também. [Temer] É o que tem”.

Folha – O PSDB deve ter cargos em um governo Temer?

Fernando Henrique Cardoso – Não se pode colocar o carro adiante dos bois. Temer não é presidente ainda. Sendo presidente, tem que dizer o que quer. Na situação atual, tem que pensar no país. Tem que ver qual é o núcleo fundamental do governo, decidir quais são as áreas e qual o programa.

Esse programa do Temer, “Uma Ponte para o Futuro”, tem corte liberal. O PSDB se sente confortável com ele?

É mais liberal. Mas depende de que venha outro da área social. Tem que ver como eles vão equilibrar isso aí. O PSDB tem responsabilidade política pelo que está acontecendo, porque apoiou o impeachment. Então não pode simplesmente dizer não entro [no governo]. Eu sou propenso a entrar desde que as condições sejam explicitadas. Entrar como partido, indicando nomes, porque a situação do Brasil é mais grave do que aparece.

Não é ruim ser sócio minoritário de um governo que não é seu, numa situação de crise?

A política é um jogo arriscado. Quem está nessa tem de estar sempre preparado para sair do governo. Se não for por um certo caminho, você não tem razão para continuar. Não pode, por exemplo, interferir na Lava Jato.

O senhor tem medo que algum acordão aconteça?

Não acredito que haja condição de acontecer.

Mas acha que vão tentar?

Que vão tentar, vão. Não por ser governo do PMDB, é porque abrange tanta gente que certamente vão tentar. O PSDB deve estar disposto a dizer: “nessa eu não entro”.

É possível entrar num governo que promete corte de gastos, desvinculação orçamentária, talvez reduzir Bolsa Família?

Não se trata de cortar, se trata de dar um sentido mais realista e eficiente aos programas. Todos os programas do Brasil padecem da falta de avaliação. Isso não é ser de esquerda nem de direita, isso é ser racional. O governo, queira ou não, não tem mais de onde tirar dinheiro. Eu nem vou discutir aumento de imposto, porque vai haver.

É inevitável?

Inevitável. Basta olhar as contas. Se depender de mim, o PSDB apoiaria [aumento]. Depende de qual, né?

CPMF?

Não sei. CPMF é muito regressivo, eu fiz e depois defendi a queda dele. Precisa ver. Se eu fosse o presidente colocaria no Ministério da Fazenda alguém que entendesse de duas coisas: política fiscal e Congresso.

O sr. colocaria o Serra?

O Serra é um que poderia. Mas tem vários que podem.

Henrique Meirelles?

O Meirelles é mais política monetária do que fiscal. Nós não temos problema cambial neste momento. O Armínio também entende [da área fiscal], o Pedro Parente, tem várias pessoas.

Até que ponto pode atrapalhar o fato de Temer não ter a legitimidade de ter sido eleito como cabeça de chapa?

Isso é um fato. Ele tem a legitimidade democrática, porque teve tantos votos quanto a Dilma, embora muitas pessoas não saibam. Agora, como é que ele pode ter legitimidade, ser aceito? É pela realização, é pelo que fizer. Depende, em grande medida, da capacidade que tem em aglutinar.

O senhor se referiu a Dilma como uma mulher honesta.

Sempre.

Parece justo o impeachment de uma mulher honesta?

A Dilma não é criminosa. O processo é político. Com base jurídica, mas é político. Quando você perde a capacidade de agregar e de dar direção ao país, fica numa posição frágil. Infelizmente, o governo da presidente Dilma se desmilinguiu. Ela cometeu crime de responsabilidade fiscal e contra lei orçamentária, são ações concretas.

O sr. foi uma espécie de primeiro-ministro de Itamar. Temer deveria ter um também?

Se o Temer souber falar com o país, não precisa de primeiro-ministro nenhum.

Não parece ser o perfil dele…

As pessoas têm de usar a ocasião e mudar.

Se o Temer fizer uma gestão satisfatória, pode disputar a reeleição em 2018?

Se o povo quiser, não há o quer fazer. É bom para o PSDB? Não, o PSDB quer ir direto para o governo, mas se Temer for bom, e o Brasil quiser isso…

Como o sr. vê o futuro do PT?

O PT tem enraizamento, portanto ele vai permanecer. E é bom que permaneça. Erradicar o PT, criminalizar o PT não tem o meu apoio.

Numa escala de 0 a 10, qual o grau de confiança de que o governo Temer vai funcionar?

Sete.

Quanto otimismo, hein?

Eu sou otimista, pelo Brasil. Se não acreditarmos nas coisas, você não muda nada. E sou realista ao mesmo tempo. É o que tem. Não é minha escolha. A situação é essa.

Veja Também

Entrevista ao Estadão: “Defendo mudança para o parlamentarismo a partir de 2023”

Veja, abaixo, entrevista que concedi ao Estadão, publicada em 20 de agosto de 2017: Senador vê condições para que novo sistema de governo seja aprovado e implementado no Brasil nas…

“Estados não têm condições fiscais de assumir as despesas com estradas federais”, diz Serra

Brasília – O projeto de lei de autoria do senador José Serra (PSDB-SP) que prorroga até 2025 o prazo para a transferência definitiva da malha rodoviária federal aos Estados foi…

Projeto de Serra propõe que amostras genéticas serão analisadas no exterior

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado aprovou nesta quinta-feira (14/04) o projeto de lei 26/2016, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), que prevê o envio…